Sábado, 04 Maio 2019 14:17

Bebê de 6 meses morre após consumir mel e caso serve de alerta para os pais

O site News.com.br divulgou hoje (4/5) que um bebê de 6 meses de idade morreu após consumir mel. O caso, segundo o site, aconteceu em Tóquio e serve de alerta para pais do mundo todo. Autoridades japonesas apontaram botulismo infantil como causa do óbito e esta foi a primeira vez que isto teria acontecido no país desde 1986, ano em que teve início o registro destas estatísticas.

Os pais estavam dando ao bebê mel misturado com suco e isto acontecia ao menos duas vezes ao dia. O jornal The Japan Times informou que os pais não tinham ideia de que o alimento não era indicado para crianças nesta idade e que agora estão arrasados.

O bebê começou a ter convulsões e foi levado imediatamente para o hospital, apresentando também grande dificuldade para respirar. Foram realizados os exames e os resultados apontaram que um pote de mel estava contaminado com a bactéria conhecida por Clostridium botulinum.

Essa bactéria é responsável pelo botulismo infantil e pode ser encontrada em todo alimento que não é conservado corretamente, seja carne, peixes, vegetais e mel, como foi neste caso. E o mel é apontado como a principal fonte de alimento com infecção que traz riscos a bebês com menos de 1 ano de idade.

Uma vez que o alimento contaminado é ingerido, a bactéria começa a agir no organismo e produz uma toxina que ataca o intestino, sendo que este órgão não é totalmente desenvolvido nos bebês. Muitos pais confundem o botulismo com paralisia ocasionada por acidente vascular cerebral, por isso o bebê deve ser levado imediatamente ao hospital para que possa ser avaliado por um profissional da saúde.

Fonte: https://www.1news.com.br/noticia/552847/noticias/bebe-de-6-meses-morre-apos-consumir-mel-e-caso-serve-de-alerta-para-os-pais-04052019


Mel para crianças só depois de 1 ano

Não está convencido? Pois o site da Revista Crescer já divulgou que além de ser uma recomendação dos pediatras aos pais nas consultas agora é também orientação da Anvisa.

“Dá um mel que alivia a tosse.” Você provavelmente já deve ter ouvido essa frase muitas vezes depois que seu filho nasceu. Mas a solução para o desconforto não é tão simples assim. Já nas primeiras consultas, os pediatras orientam sobre a restrição do consumo do mel até 1 ano de idade. Agora, essa é também uma recomendação da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), divulgada nesta terça-feira.

A preocupação é porque o produto pode estar contaminado com esporos da bactéria Clostridium botulinum, responsável pela transmissão do botulismo, doença que atinge os nervos e músculos. Embora seja rara, é grave. “Até 1 ano, o sistema imunológico da criança não está desenvolvido para combater essa bactéria”, diz Mario Vieira, gastroenterologista pediátrico do Hospital Pequeno Príncipe, em Curitiba. Adultos também podem contrair a doença, caso tenham problemas relacionados à flora intestinal.

A posição da Anvisa foi baseada em estudos, como a pesquisa realizada pela Unesp, entre janeiro de 2002 e julho de 2003, em seis estados brasileiros, que mostrou a presença da bactéria em 7% das 100 amostras de mel comercializadas por ambulantes, mercados e feiras livres.

Segundo Cid Pinheiro, pediatra do Hospital São Luiz, além da doença, há outras implicações. “O mel modifica o sabor do alimento, tira a oportunidade de a criança ter experimentos no paladar e pode fazer com que ela prefira o sabor adocicado.” Se ela tomar o leite materno, há, inclusive, o risco de ela deixar o peito da mãe.

Além disso, quando a criança estiver maior, por volta dos 4 anos, por exemplo, se estiver acostumada com o sabor adocicado das coisas, sua alimentação pode caminhar para aquela baseada em carboidratos, no lugar de uma dieta equilibrada. E isso, certamente, não é o ideal no mundo de hoje, em que a epidemia de obesidade e sobrepeso assusta pais e especialistas.

Sintomas e tratamento do botulismo

A criança fica abatida, tem dificuldade de controle dos movimentos, abalos musculares e episódios semelhantes a crises convulsivas.

Não há tratamento para a doença. O diagnóstico precoce é fundamental para controlar os sintomas.

Fonte: http://revistacrescer.globo.com/Revista/Crescer/0,,EMI10786-15149,00-MEL+PARA+CRIANCAS+SO+DEPOIS+DE+ANO.html


Caso da criança no Japão ocorreu em 2017

O site Agenda Infantil verificou que o caso divulgado pelo site news.com.br, na verdade, ocorreu em março de 2017 e foi publicado originalmente no site Japan Times.

Apesar da notícia ser antiga, o alerta é válido e a recomendação da Anvisa é recente.

Tomem cuidado, pais e mães!

Segue o link do "Japan Times": https://www.japantimes.co.jp/news/2017/04/10/national/infant-botulism-claims-6-month-old-adachi-ward-boy-fed-honey/#.XM3MHuhKjIU

Lido 2505 vezes Última modificação em Sábado, 04 Maio 2019 14:37